domingo, 27 de agosto de 2017

Resenha da semana: Paris para dois (um) e outros contos / Jojo Moyes

Jojo Moyes já é uma das escritoras de romances consagradas do nosso tempo, pegar qualquer um de seus livros é ter a certeza de que você irá se apaixonar pelas histórias, se identificar e ao mesmo tempo, pensar criticamente sobre sua própria vida.

Em Paris para dois e outros contos, temos dez histórias com o selo Jojo Moyes de aprovação, todas muito cativantes, este é um ótimo livro para quem nunca leu nada dela e quiser conhecer, porque é bem fininho e dá pra perceber a versatilidade de sua escrita.

O primeiro conto, o que dá o nome ao livro, Paris para dois um, é uma história sobre uma mulher que nunca saiu da sua zona de conforto, tem um emprego ok, serve de exemplo como a pessoa que nunca faz nada impulsivamente. Até que num belo dia ela resolve comprar passagens para ela e seu namorado, para um final de semana em Paris, só que em cima da hora seu bendito namorado, resolve não aparecer e ela fica sozinha em Paris. Em um primeiro momento ela resolve voltar pra casa imediatamente, mas como as passagens estavam muito caras, seu lado racional fala mais alto e ela acaba ficando em Paris. Tudo começa a mudar quando ela conhece um francês, um escritor frustrado, que ela leva para passeios em Paris e para uma verdadeira viagem de autoconhecimento, que a faz repensar todas as suas escolhas.

Os três contos seguintes: ‘Entre tuítes’, ‘Tarde de amor’ e ‘Um pássaro na mão’, colocam em questão a mesma coisa: Será que sua vida é baseada somente em verdades, ou construída em cima de mentiras muito bem articulas e o pior será que vale a pena descobrir a verdade e arruinar sua vida? Nestes três contos vemos diferentes respostas para esta pergunta.

O conto seguinte, ‘Sapatos de couro de crocodilo’, é um dos meus favoritos, e fala sobre o poder de um par de sapatos, mas que na verdade não tem poder algum, eles geram apenas uma grande autoconfiança para quem tem a oportunidade de usa-los, quem nunca se sentiu uma diva com Aqueles sapatos, não é mesmo? Haha

Os três contos seguintes são os das reviravoltas, em ‘Assalto’ vemos um assalto de fato, mas alô alô síndrome de Estocolmo, será que é possível se apaixonar pelo assaltante? ‘O casaco do ano passado’ é sobre como é ruim você projetar sua vida se baseando na vida alheia, qual é o problema se você usa o casaco do ano passado? É melhor do que ter um milhão de dívidas, ou será que não? E ‘Treze dias com John C’ é um dos contos mais loucos, e se você achasse um celular perdido, e recebesse várias mensagens de supostamente o amante da dona do celular, sua vida anda tão sem graça, que você resolve se passar pela dona do celular, nada poderia dar errado e um pouco de emoção na vida é sempre bem vinda, mas você nunca poderia imaginar quem era realmente John C.

O penúltimo conto ‘A lista de Natal’ é o conto mais fofo, e tem todo o espírito natalino, a protagonista vive um relacionamento abusivo sem nem se dar conta, quando pega um táxi que faz com que ela repense todas as suas ações e decida enfim ser feliz do seu jeito, já que a vida é curta demais pra ficar se preocupando com o tipo de bolo específico para o Natal.

E por fim, o último conto ‘Lua de Mel em Paris’, tem os fatos narrados anteriormente ao livro ‘A garota que você deixou pra trás’ (que por sinal é o meu livro favorito da Jojo). Neste conto conseguimos conhecer um pouco melhor os personagens e nele é o amor que está em questão, porque quando se tem realmente um amor recíproco na mais importa.


Os meus contos favoritos foram o primeiro e o último, ambos me transportaram para Paris, e tenho um fraco por finais felizes, então eles foram os mais marcantes. Minhas duas sensações ao ler todos esses contos foram: todos eles poderiam ser livros completos e todos eles poderiam virar filmes. Jojo nunca decepciona e posso indicar qualquer um de seus livros de olhos fechados.